close
AsiaJapónViajes

O Japão é muito caro! Verdade ou mito?

Yenes

O Japão é, sem dúvida, considerado um dos países mais caros do mundo, especialmente se você vive como um turista se hospedando em hotéis e comendo em restaurantes caros. Para alguns, pode ser surpreendentemente caro, no entanto, o país oferece opções para que, como mochileiro, você possa apreciá-lo sem ter que gastar uma fortuna. Mesmo você economizando em algumas coisas, será dos países mais caros do norte da Ásia, mas há certas coisas que você pode fazer para amortecer o golpe no  seu bolso. Se você seguir nosso conselho, verá que você pode desfrutar do país do sol nascente com um orçamento baixo, para ser mais concreto, menos de US $ 35,00 por dia e sem parar para desfrutar e comer rico. O mais caro do Japão é, sem dúvida, alojamento e transporte, e depois a comida. Não vamos falar sobre atrações turísticas, porque a ideia é que você possa aproveitar todas elas e, se você seguir nossos conselhos, não terá que se privar de ir a lugar algum.

1. Escolha bem aonde dormir

Se hospedar no Japão, por algum motivo que não sabemos, é caro, muito caro! O preço varia de acordo com a estação, por exemplo, a cherry blossom geralmente é a época mais cara (e um das mais belas). O bom é que existem muitas opções para escolher:

  • AirBnb: existem muitas opções de AirBnb no Japão, principalmente nas grandes cidades. Um quarto compartilhado em Tóquio pode variar de US $ 15,00 a US $ 30,00 em uma boa localização.
  • Albergues: Albergues de cápsula e albergues também abundam no Japão e os preços para um quarto compartilhado gira em torno de US $ 20,00.
  • Hotéis: Os hotéis no Japão são mais caros que  AirBnb e os albergues. Normalmente, uma noite em um hotel normal em Tóquio poderia custar entre US $ 40,00 a US $ 60,00 ou muito mais. Os hotéis mais luxuosos no país tem um preço muito mais alto.
  • Couchsurfing: Nossa opção preferida sempre! Fazer  couchsurfing no Japão foi muito fácil e nós adoramos, . Isso, além de nos salvar uma boa grana, nos permitiu compartilhar com pessoas locais e conhecer um pouco mais sobre a cultura. Os anfitriões japoneses eram super hospitaleiros e sempre nos receberam em lugares limpos e arrumados. Foi uma ótima experiência e eles sempre responderam aos nossos pedidos imediatamente. Dos 24 dias que estivemos no Japão, 21 ficamos com  couchsurfers. Para dicas sobre como ser o melhor couchsurfer, clique aqui.
  • Trabalho voluntário: se você tem disponibilidade para passar mais tempo em uma cidade existem algumas opções de trabalho voluntário em páginas como Workaway, HelpX, etc. Você pode trabalhar em troca de acomodação e aproveitar para conhecer um pouco da cultura local e aprender algum oficio.
  • Ficar em um templo budista: esta opção é possível não só no Japão, mas também em outros países asiáticos. Tivemos a sorte de ser recebidos pela uma família de um monge budista por 5 dias em troca de algumas horas de trabalho. Isso nos permitiu aprender sobre a cultura japonesa, sua culinária, compartilhar com uma família maravilhosa e generosa e aprender mais sobre como o budismo é vivido no Japão.

2. Veja as diferentes opções de transporte

O sistema de transporte do Japão é um dos melhores e mais completos do mundo, com diferentes opções entre metrô, trem, trem bala, ônibus, maglev, etc. Mas tudo isso tem um preço e esse preço é alto! Para viajar entre cidades, a opção mais barata é, sem dúvida, viajar de carona. Sim, é possível e é muito fácil viajar de carona no Japão. Você pode ler no nosso relato, aqui. Nós fizemos uma mistura de carona, trem e ônibus, sendo que o ônibus não recomendamos porque é muito caro. Algumas pessoas optam por comprar o JRPass, que é um passe que lhe dá direito a viagens de trem ilimitadas por um determinado período de dias e está disponível apenas para estrangeiros. Nós pensamos que era caro e teríamos que viajar mais rápido do que queríamos, então tomamos a opção de não comprá-lo e ver outras alternativas. Nas cidades, a melhor opção é comprar um passe para o metrô. Estes podem ser comprados no aeroporto normalmente. Nós pagamos JPY1500,00 por pessoa (US$ 13,5) pelo passe de Tóquio de 72 horas. Quando você chega ao aeroporto, vá ao escritório de informações turísticas, lá podem orientá-lo e explicar quais alternativas que você tem para se deslocar pela cidade. Os preços dos bilhetes unitarios depende da estação de destino, mas a média é de mais ou menos JPY220 (US$ 2,00). Shinkanzen

3. Escolher aonde e o que comer

SandíaEnquanto você não comprar uma melancia no Japão, você poderá comer bem e por preços razoáveis. U$30.00 é o que você tem que pagar se você estiver com vontade de comer uma melancia. O Japão tem um número infinito de opções para comer entre restaurantes, locais de rua, fast-food, cafés, lojas de conveniência, supermercados, etc. Nós, quando não cozinhamos em casa, comprávamos algo barato já preparado no supermercado ou em alguma loja como 7-11, Dawson ou Family Mart. Lá você pode tomar café da manhã ou almoçar por cerca de U$4.00 sem a bebida, enquanto um café da manhã no MC Donalds sai em torno de U$5.00.
Uma boa opção para o jantar é comprar comida no final do dia, uma vez que eles fazem descontos em supermercados e lojas para evitar jogar comida fora, você pode comprar até um desconto de 40%.E se você quiser comer comida local em um restaurante, vá para os restaurantes que as pessoas locais vão e não para os turísticos, porque sempre serão mais caros.

Em algumas cidades como Tóquio, Kyoto ou Nara, alguns restaurantes têm algo chamado Otoshi, que basicamente é uma taxa que você paga para se sentar à mesa e comer um pequeno aperitivo. No Japão, nenhuma gorjeta é permitida, mas muitos restaurantes a substituem por otoshi, então é melhor perguntar em restaurantes “otoshi?” antes de se sentar, para que você não se surpreenda quando a conta chegar, porque em alguns casos o otoshi pode ser de ao menos 30% do total ou mais!Outra coisa que é importante mencionar é que existem alguns alimentos que sempre serão mais baratos no Japão, por exemplo, os pratos com carne de porco ou legumes tendem a ser mais baratos do que comer um pedaço de carne, atum “fatty” ou sashimi.

4. Usar sua carteirinha de estudante

Se você é um estudante e tem uma carteirinha que o comprova, é provável que você receba um bom desconto em lugares turísticos. Você não tem o desconto garantido em todos os lugares, mas pode ser uma ajuda ao comprar seu ingresso para alguns parques ou museus. Não custa nada tentar e com isso você pode economizar alguns reais.

5. Escolher quando ir ao Japão

O mês mais lindo para visitar o Japão é o mês de abril, que é o mês em que as cerejeiras (sakura) já floresceram e pintaram as paisagens de rosa. No entanto, é quando mais pessoas visitam o pais e isso implica um aumento nos preços. Se você quiser evitar gastar muito dinheiro, evite viajar na alta temporada. E com o “quando ir para o Japão”, também nos referimos a quais dias da semana você compra seus bilhetes aéreos, uma vez que a diferença de preço pode ser muito alta entre um dia e outro. Alguns dizem que o melhor dia é terça-feira, mas ainda nao pudimos comprová-lo. Sakura

6. Inscreva-se em um free walking tour

Se inscrever em um free walking tour é uma boa maneira de fazer turismo, conhecer a cidade e seus locais históricos, sem gastar mais do que a gorjeta que você deixa para seus guias turísticos. É uma opção que você pode tomar não só no Japão, mas também em outros países do mundo. Resumindo, acreditamos que é verdade que o Japão é caro, mas é um mito que você não pode fazer nada para economizar enquanto estiver lá. Se você seguir nosso conselho, você poderá desfrutar do Japão, seus lugares turísticos e sua culinaria sem ter que gastar toda sua grana, tendo assim a possibilidade de visitar outros países, se desejar.

Tags : budgetJapónTravellingviajes
Tiago

The author Tiago

O Japão é, sem dúvida, considerado um dos países mais caros do mundo, especialmente se você vive como um turista se hospedando em hotéis e comendo em restaurantes caros. Para alguns, pode ser surpreendentemente caro, no entanto, o país oferece opções para que, como mochileiro, você possa apreciá-lo sem ter que gastar uma fortuna. Mesmo você economizando em algumas coisas, será dos países mais caros do norte da Ásia, mas há certas coisas que você pode fazer para amortecer o golpe no  seu bolso. Se você seguir nosso conselho, verá que você pode desfrutar do país do sol nascente com um orçamento baixo, para ser mais concreto, menos de US $ 35,00 por dia e sem parar para desfrutar e comer rico. O mais caro do Japão é, sem dúvida, alojamento e transporte, e depois a comida. Não vamos falar sobre atrações turísticas, porque a ideia é que você possa aproveitar todas elas e, se você seguir nossos conselhos, não terá que se privar de ir a lugar algum.

1. Escolha bem aonde dormir

Se hospedar no Japão, por algum motivo que não sabemos, é caro, muito caro! O preço varia de acordo com a estação, por exemplo, a cherry blossom geralmente é a época mais cara (e um das mais belas). O bom é que existem muitas opções para escolher:

  • AirBnb: existem muitas opções de AirBnb no Japão, principalmente nas grandes cidades. Um quarto compartilhado em Tóquio pode variar de US $ 15,00 a US $ 30,00 em uma boa localização.
  • Albergues: Albergues de cápsula e albergues também abundam no Japão e os preços para um quarto compartilhado gira em torno de US $ 20,00.
  • Hotéis: Os hotéis no Japão são mais caros que  AirBnb e os albergues. Normalmente, uma noite em um hotel normal em Tóquio poderia custar entre US $ 40,00 a US $ 60,00 ou muito mais. Os hotéis mais luxuosos no país tem um preço muito mais alto.
  • Couchsurfing: Nossa opção preferida sempre! Fazer  couchsurfing no Japão foi muito fácil e nós adoramos, . Isso, além de nos salvar uma boa grana, nos permitiu compartilhar com pessoas locais e conhecer um pouco mais sobre a cultura. Os anfitriões japoneses eram super hospitaleiros e sempre nos receberam em lugares limpos e arrumados. Foi uma ótima experiência e eles sempre responderam aos nossos pedidos imediatamente. Dos 24 dias que estivemos no Japão, 21 ficamos com  couchsurfers. Para dicas sobre como ser o melhor couchsurfer, clique aqui.
  • Trabalho voluntário: se você tem disponibilidade para passar mais tempo em uma cidade existem algumas opções de trabalho voluntário em páginas como Workaway, HelpX, etc. Você pode trabalhar em troca de acomodação e aproveitar para conhecer um pouco da cultura local e aprender algum oficio.
  • Ficar em um templo budista: esta opção é possível não só no Japão, mas também em outros países asiáticos. Tivemos a sorte de ser recebidos pela uma família de um monge budista por 5 dias em troca de algumas horas de trabalho. Isso nos permitiu aprender sobre a cultura japonesa, sua culinária, compartilhar com uma família maravilhosa e generosa e aprender mais sobre como o budismo é vivido no Japão.

2. Veja as diferentes opções de transporte

O sistema de transporte do Japão é um dos melhores e mais completos do mundo, com diferentes opções entre metrô, trem, trem bala, ônibus, maglev, etc. Mas tudo isso tem um preço e esse preço é alto! Para viajar entre cidades, a opção mais barata é, sem dúvida, viajar de carona. Sim, é possível e é muito fácil viajar de carona no Japão. Você pode ler no nosso relato, aqui. Nós fizemos uma mistura de carona, trem e ônibus, sendo que o ônibus não recomendamos porque é muito caro. Algumas pessoas optam por comprar o JRPass, que é um passe que lhe dá direito a viagens de trem ilimitadas por um determinado período de dias e está disponível apenas para estrangeiros. Nós pensamos que era caro e teríamos que viajar mais rápido do que queríamos, então tomamos a opção de não comprá-lo e ver outras alternativas. Nas cidades, a melhor opção é comprar um passe para o metrô. Estes podem ser comprados no aeroporto normalmente. Nós pagamos JPY1500,00 por pessoa (US$ 13,5) pelo passe de Tóquio de 72 horas. Quando você chega ao aeroporto, vá ao escritório de informações turísticas, lá podem orientá-lo e explicar quais alternativas que você tem para se deslocar pela cidade. Os preços dos bilhetes unitarios depende da estação de destino, mas a média é de mais ou menos JPY220 (US$ 2,00). Shinkanzen

3. Escolher aonde e o que comer

SandíaEnquanto você não comprar uma melancia no Japão, você poderá comer bem e por preços razoáveis. U$30.00 é o que você tem que pagar se você estiver com vontade de comer uma melancia. O Japão tem um número infinito de opções para comer entre restaurantes, locais de rua, fast-food, cafés, lojas de conveniência, supermercados, etc. Nós, quando não cozinhamos em casa, comprávamos algo barato já preparado no supermercado ou em alguma loja como 7-11, Dawson ou Family Mart. Lá você pode tomar café da manhã ou almoçar por cerca de U$4.00 sem a bebida, enquanto um café da manhã no MC Donalds sai em torno de U$5.00.
Uma boa opção para o jantar é comprar comida no final do dia, uma vez que eles fazem descontos em supermercados e lojas para evitar jogar comida fora, você pode comprar até um desconto de 40%.E se você quiser comer comida local em um restaurante, vá para os restaurantes que as pessoas locais vão e não para os turísticos, porque sempre serão mais caros.

Em algumas cidades como Tóquio, Kyoto ou Nara, alguns restaurantes têm algo chamado Otoshi, que basicamente é uma taxa que você paga para se sentar à mesa e comer um pequeno aperitivo. No Japão, nenhuma gorjeta é permitida, mas muitos restaurantes a substituem por otoshi, então é melhor perguntar em restaurantes “otoshi?” antes de se sentar, para que você não se surpreenda quando a conta chegar, porque em alguns casos o otoshi pode ser de ao menos 30% do total ou mais!Outra coisa que é importante mencionar é que existem alguns alimentos que sempre serão mais baratos no Japão, por exemplo, os pratos com carne de porco ou legumes tendem a ser mais baratos do que comer um pedaço de carne, atum “fatty” ou sashimi.

4. Usar sua carteirinha de estudante

Se você é um estudante e tem uma carteirinha que o comprova, é provável que você receba um bom desconto em lugares turísticos. Você não tem o desconto garantido em todos os lugares, mas pode ser uma ajuda ao comprar seu ingresso para alguns parques ou museus. Não custa nada tentar e com isso você pode economizar alguns reais.

5. Escolher quando ir ao Japão

O mês mais lindo para visitar o Japão é o mês de abril, que é o mês em que as cerejeiras (sakura) já floresceram e pintaram as paisagens de rosa. No entanto, é quando mais pessoas visitam o pais e isso implica um aumento nos preços. Se você quiser evitar gastar muito dinheiro, evite viajar na alta temporada. E com o “quando ir para o Japão”, também nos referimos a quais dias da semana você compra seus bilhetes aéreos, uma vez que a diferença de preço pode ser muito alta entre um dia e outro. Alguns dizem que o melhor dia é terça-feira, mas ainda nao pudimos comprová-lo. Sakura

6. Inscreva-se em um free walking tour

Se inscrever em um free walking tour é uma boa maneira de fazer turismo, conhecer a cidade e seus locais históricos, sem gastar mais do que a gorjeta que você deixa para seus guias turísticos. É uma opção que você pode tomar não só no Japão, mas também em outros países do mundo. Resumindo, acreditamos que é verdade que o Japão é caro, mas é um mito que você não pode fazer nada para economizar enquanto estiver lá. Se você seguir nosso conselho, você poderá desfrutar do Japão, seus lugares turísticos e sua culinaria sem ter que gastar toda sua grana, tendo assim a possibilidade de visitar outros países, se desejar.

Leave a Response

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.